Atlanta, GA, EUA

 

Após 3 semanas na Europa, ao final de uma tarde de novembro de 2013 cheguei ao aeroporto mais movimentado do mundo (Em 2015, nenhum brasileiro apareceu entre os 30 primeiros). Era a 5ª vez que entrava nos EUA, mas, apesar disso, me levaram para a temida salinha da imigração junto com outros latino-americanos. Fiquei um tanto incomodado, pois não havia motivos para terem feito isso. Abriram todo meu mochilão e a única coisa que encontraram foram minhas roupas, eletrônicos e souvenires que comprei em terras distantes.

Como o único albergue da cidade tinha fechado as portas, tive que ficar em um hotel mesmo. Escolhi o mais em conta e perto do aeroporto: Hotel Super 8 College Park, e até que não era nada mal. Como estava faminto, desci até o único restaurante das redondezas e me fartei.

CNN Studio Tour

Pela manhã, depois de uns biscoitos americanos e de um ônibus e metrô, me aproximei do centro de Atlanta. Já tinha comprado o tal do City Pass, que dá desconto em 5 das principais atrações. A primeira em que fui foi o CCN Studio Tour, uma visita guiada pelos bastidores da produção do canal em sua sede.

cnn studio

A visita, ligeiramente breve, contou um pouco sobre a história do canal e mostrou algumas salas onde é produzido e transmitido o conteúdo para o mundo. Inclusive assistimos uma transmissão ao vivo.

Ainda, foi explicado o funcionamento de um recurso cinematográfico conhecido como chroma key (tela verde) na apresentação da previsão do tempo. Consiste em um processamento digital das imagens que anula tons similares a uma cor padronizada, no caso o verde claro, para inserir o fundo desejado, como o mapa das localidades e os dados climatológicos. As crianças do grupo em que caí estavam entusiasmadas.

chroma key tv

Antes de chegar à próxima atração, adentrei o Centennial Olympic Park, construído para celebrar as Olimpíadas de 1996, realizadas nessa cidade. As fontes dos anéis olímpicos divertiam a gurizada enquanto eu passava.

parque olímpico atlanta

Georgia Aquarium

Em seguida, o maior aquário do ocidente Georgia Aquarium, ou “Aqurium”, como pronunciava um nigeriano que conheci no parque. Dividido em várias seções, tinha um tanque onde se podia tocar em peixes cartilaginosos como arraias e outro em invertebrados bentônicos, que são as criaturas que vivem no solo oceânico.

tanque aquário

Incluia também outros aquários com peixes de determinadas regiões, como um sobre a Amazônia e outro com os peixes da família Cichlidae, que passaram por uma diversificação sem igual nos grandes lagos do leste da África, onde até poucas décadas atrás chegavam a passar de 500 espécies diferentes no mesmo lago!

aquário peixe

Até os enormes tubarões-baleia habitavam um dos aquários, o que é uma lástima, pois por maior que seja o tanque não há como prover a área de vida necessária para o maior peixe do mundo. Prova disso são os 2 que já morreram ali mesmo.

tubarão-baleia

Mundo Coca-Cola

Depois de outros tantos aquários com criaturas exóticas, chegou a hora de saborear. O passeio no Mundo Coca-Cola (ou World of Coca-Cola), colado no prédio anterior, iniciou-se por meio de um tour guiado contando a história da empresa fundada no século XIX com outros propósitos. Há uma amostra grande de memorabilia da marca.

world of coke

Um filminho foi o prenúncio do melhor que estava por vir. Esvaziem bem seus estômagos, pois o salão seguinte possui máquinas com mais de 100 sabores de todas as partes do mundo para escolher e tomar à vontade! Pode parecer estranho, mas eu detesto Coca-Cola, então fiquei só nas demais linhas de bebida, que ainda assim eram muito numerosas. O que mais gostei foi o verde-criptonita Fanta Apple Kiwi, da Tailândia.

mundo coca-cola

Alguns quilogramas acima do peso da entrada e arrotando quase que descontroladamente, na saída recebi uma garrafinha de Coca produzida ali mesmo no Mundo Coca-Cola, na mini-fábrica que contém todos os processos em exibição.

world of coca-cola

Chega de publicidade gratuita. Como o Sol ainda não tinha me abandonado, caminhei por dentro do Instituto de Tecnologia da Geórgia. Ver aquele bando de estudantes para lá e para cá me deixou em um momento nostálgico. Quando a noite caiu, voltei ao hotel para dormir na primeira cama realmente confortável de toda a viagem.

Zoo Atlanta

Continuando, mais animais pela manhã, pois fui conhecer o zoológico. Desde os flamingos da recepção, passando por ambientes com os grandes mamíferos africanos, viveiros abertos com aves coloridas e terrários com espécies nem um pouco atraentes, como o rato-toupeira-pelado (Heterocephalus glaber).

rato-toupeira-pelado

É interessante o trabalho de conservação e educação ambiental realizado com primatas. E mais ainda observar seu comportamento e ver algo de nós neles. Por ali me despedi, com a esperança de que os zoológicos possuam maior função de conservacionismo do que exibicionismo.

atlanta zoo

À tarde, vi uma das exposições mais chatas que já conheci. Como já tinha pagado e havia tempo livre, fucei os ambientes espaçosos ocupados mais por ar do que por arte no High Museum of Art. Talvez eu não estivesse “high” o suficiente para entender aquelas obras.

high museum of art

Voltei para o aeroporto, onde havia reservado um carro para fazer as compras, que envolveram alguns eletrônicos na Best Buy, uma das minhas lojas preferidas dos EUA pela sua variedade, além de estar presente em tudo quanto é lugar. Junto a ela ficava o hipermercado Target, outro com preços bons que sempre confiro, e a Ross – Dress for Less, onde roupas baratas são o que há.

Pela manhã seguinte tomei um susto. Enquanto me localizava no carro pelo GPS do meu celular, acabei passando por uma placa de “Stop” sem parar. Para variar, saiu um carro de polícia do meio do nada e me parou na marra. Por pouco escapei de mais uma multa em solo americano.

O último dia foi passado em Lawrenceville, a nordeste de Atlanta, no outlet Sugarloaf Mills, o local mais indicado para os consumistas de plantão. Quando saí de lá tive que fazer um milagre de compactação para conseguir que coubesse tudo no meu mochilão e em mais uma mochila que originalmente é do tamanho de um chaveiro, mas seu material de náilon siliconizado é expansível para caber até 20 litros! É a Ultra-Sil Day Pack da conhecida Sea to Summit. Larguei o carro próximo ao aeroporto e segui para o Brasil.

Mapa dos pontos de interesse de Atlanta

.

.

Deixe um comentário