Brussels Atomium Expo 58

Bruxelas, Bélgica

 

Bruxelas

De Amsterdã, fomos a Bruxelas com a Megabus por apenas 6 libras esterlinas.

Três horas e meia depois, já no final de uma tarde, saltamos na Gare du Nord e caminhamos pela metrópole que é não apenas a capital da Bélgica, mas da União Europeia, já que abriga várias instituições do grupo. Enquanto a metade superior da Bélgica fala holandês e a inferior francês, em Bruxelas você encontra os dois idiomas de forma oficial.

Ficamos no Sleep Well Youth Hostel. Muito bom ele, por sinal. A noite no dormitório coletivo e café da manhã nos custou 24 euros por cabeça, valor que ainda permanece.

Andamos um pouco pelo centro, culminando na Grand-Place de Bruxelas, a praça maior e listada na UNESCO, onde turistas fotografam prédios históricos, como o da prefeitura. Foi construído no século 15 em estilo gótico.

Grand-place de Bruxelas

Outros pontos de interesse nessa praça e arredores são os locais para comer. Passamos pelos becos da região até escolhermos um lugar mais em conta para jantar. Aquela provavelmente foi a melhor refeição da viagem, uma paella completa que custou 12 euros. Apesar de bastante saborosa, diferentemente das servidas por aqui, lá era você quem tinha que abrir as conchas, que eram várias. Isso explica o formato da (faca?).

Paella em Bruxelas

A noite foi de delirar no Delirium Café, famoso bar que tem inclusive sua linha própria de cervejas artesanais e está no Guinness pelo recorde do número de cervejas disponíveis, que está na casa dos milhares. As cervejas belgas sem dúvida estão entre as mais saborosas do mundo, mas os preços não são muito convidativos. O prédio se divide em 3 andares, sendo que ficamos no térreo, o Delirium Taphouse, com dezenas de torneiras à disposição.

Delirium Taphouse Bruxelles

Depois de tomar algumas, seguimos a um segundo bar parceiro da Delirium em frente, pois este já estava fechando as portas.

Brussels Bar

A ideia original era passar o dia seguinte nos castelos de Luxemburgo, mas como a noite anterior foi longa e eu ainda não conhecia Bruxelas, decidi ficar por ali mesmo. Depois do café-da-manhã reforçado, enquanto as garotas foram para uma cidade vizinha, eu segui para o Manneken Pis, também conhecido como a estátua do garoto mijão. Nesse dia ele estava vestido com trajes típicos em comemoração à independência da Ucrânia.

Ukraine Manneken Pis

Na época não sabia da existência da Jeanneke Pis, a versão feminina, que fica na zona do Delirium. Segui  passando em frente à gótica e restaurada Catedral de São Miguel e Santa Gudula, com um interior também interessante.

Catedral de São Miguel e Santa Gutula

Num parque próximo havia uma banda cantando, aparentemente para arrecadar fundos para caridade. Ouvi umas músicas, peguei o bonde e desci próximo a outra das atrações de Bruxelas, o Atomium.

O baita conjunto metálico de mais de 100 metros que representa uma molécula de ferro ampliada foi construído durante a exposição da Feira Mundial de Bruxelas em 1958. Ainda serve para esse propósito e como mirante. Como os 11 euros de entrada não estão muito em conta na cotação atual, fiquei admirando só por baixo.

Brussels Atomium Expo 58

Para quem quiser aproveitar mais, em sua volta ficam o Mini-Europe, semelhante ao Mini Mundo de Gramado, e o Océade, parque aquático. Também há um planetário grátis, no qual dei uma passada breve. Outros atrativos de Bruxelas são os cerca de 100 museus espalhados principalmente pelo centro da cidade.

Voltei com o metrô, passei por outras áreas verdes e fui fazer compras no City 2, o shopping em frente ao albergue. Saí de lá com uma mochila e tênis novos. Também há uma Primark, rede europeia de roupas baratas, a algumas quadras dali.

Charleroi

Prosseguindo, embarquei no ônibus translado para Charleroi, a cidade vizinha onde pegaríamos o voo na manhã seguinte. Chegando lá caminhei que nem um condenado até o Class’eco Charleroi, único hotel da viagem, onde dividiríamos os 36 euros do quarto em 3. O hotel é bem meia boca, mas é o mais barato, e infelizmente não existe albergue em Charleroi.

Bem cedo rachamos um táxi e voamos pela Ryanair até os Bálcãs por somente 20 euros; mais precisamente, Rijeka, na Croácia.

Mapa de atrações turísticas de Bruxelas

.

.

Deixe um comentário