Colombo, Sri Lanka

Colombo, Sri Lanka

 

 

Depois da despedida de meu amigo no Egito, parti minha primeira viagem internacional sozinho. Com o dia passado entre conexões de aeroportos, aproveitei para devorar o guia Rough Guide do Sri Lanka que havia comprado, e que foi bastante útil.

 

Capital de Sri Lanka

 

Sri Lanka? Onde diabos fica isso? Essa ilha localizada bem abaixo da Índia, e que guarda outras tantas semelhanças com a mesma, já foi uma “colônia” portuguesa, mas atualmente seu único legado é o nome da capital de Sri Lanka, Colombo. Seguindo os portugueses, aportaram os holandeses, que construíram um forte em Galle. Por fim, veio o domínio inglês, que resultou em influência na arquitetura e no plantio de chá, além das muito úteis linhas de trem.

 

Ao desembarcar no aeroporto de Colombo, minha primeira impressão não foi das melhores. O clima, tão quente quanto o do Egito, porém muito mais úmido, me fazia suar sem parar. Os 2 idiomas oficiais, cingalês no centro-sul e tâmil no norte-leste, eram impossíveis de se decifrar, ainda que as pessoas falassem um inglês bem rudimentar. Havia trapaceiros por todos os lados tentando sugar meu dinheiro, exatamente da forma como meu guia de bolso descrevia os golpes. Apesar disso, rodei para lá e para cá no meio de transporte mais comum do país, o barulhento e poluidor tuk-tuk, um triciclo motorizado com carcaça de um carro minúsculo.

 
capital de sri lanka
 

Passei por parques, construções históricas, museus, templos budistas e hinduístas (islamismo e cristianismo completam as religiões principais do país), mas não havia nada que eu não veria, de melhor qualidade, nas demais cidades.

Em um dos templos budistas, que são a maioria, tirei essa foto, demonstrando o altar central.

 
buda colombo
 

O PIB do país naquele momento era baixíssimo. A inconveniente vantagem é que isso propiciava um turismo infinitamente mais barato do que nos destinos mais visitados.

Eram raras as ruas e praças preservadas, como essa que inclui um sino gigante. Na verdade isso é uma estupa, uma espécie de túmulo budista para pessoas importantes. Reparem no tamanho em comparação com o tuk-tuk

.
 
colombo sri lanka
 

Tenho que dar um desconto porque o país estava se recuperando da guerra civil entre as 2 principais etnias dessas terras, cuja duração foi de 25 anos e o término do conflito ocorreu apenas em 2009. Além disso, foi atingido por um forte tsunami em 2004. De lá para cá, o crescimento no PIB per capita tem se dado de forma exponencial e no último ano o Sri Lanka ultrapassou o Brasil no ranking do IDH (Índice de Desenvolvimento Humano). Estão fazendo um bom trabalho por lá.

Caminhei mais um pouco, tentando achar algo de bonito para ver, mas o maior parque da cidade (Viharamahadevi) estava em reforma, bem como o prédio da prefeitura que fica em frente. Olhando pelo Google Street View agora, as obras ficaram uma beleza.

 
capital de sri lanka
 

No fim do dia me encaminhei à estação de trem. A uma delas, pois há várias na cidade. Se vocês pretendem seguir a mesma rota que eu fiz (e recomendo) pelo litoral sul até a praia de Hikkaduwa, a estação certa é a de Kollupitiya. Para ajudar os perdidos, hoje há uma página oficial em inglês que é uma mão na roda.

Conheci um morador local, Amalka, que me auxiliou e acompanhou na viagem de 2 horas. Aos poucos fui me recuperando do choque e a má impressão do país foi sendo desfeita.

 
sri lanka capital
 

Não lembro quanto paguei na época, mas atualmente o preço de uma passagem em segunda classe é de 20 rúpias. Apesar da desvalorização do real e da melhor situação econômica cingalesa, isso dá em torno de absurdos 54 centavos para percorrer 92 km!! Logicamente os vagões não eram tão confortáveis, mas dá para acreditar nisso? E a terceira classe custa metade do preço!! A título de comparação, percorrer uma distância praticamente igual nos modernos trens noruegueses não sai por menos de 249 coroas. Traduzindo, 113 reais!! Alguém tem notícia de um transporte mais barato do que esse em qualquer parte do mundo?

 

.

.

Deixe um comentário