Rua da Misericórdia no Centro de Faro

Faro, Portugal (Algarve)

 

Centro de Faro

Vindo de Munique-Memmingen pela Ryanair, eu e Tati desembarcamos no enxuto aeroporto de Faro, na região do Algarve. Como havia reservado previamente um carro por 33 euros para 2 dias, a atendente da locadora de carros InterRent nos aguardava. Recebemos nosso Volkswagen Up! e alguns quilômetros depois chegamos no centro da cidade onde ficava o Blablabla Hostel, em meio a ruas estreitas.

VW Up nas ruas de Faro alugado na Interrent Faro

De albergue não tinha nada, pois ficamos em uma casa isolada praticamente só para a gente, o que não foi nada ruim. Infelizmente ele não existe mais, mas você pode reservar outras boas opções de hospedagens em Faro por aqui.

Jantamos em um restaurante local recomendado pelo inquilino, em alguma das ruas de trás do centro. Demorou a ficar pronto, mas assim como as refeições seguintes as lulas oleosas estavam excelentes.

O dia estava lindo e agradável quando acordamos. Depois de um café da padaria, passando duas quadras chegamos ao cais e ao centro, com seus edifícios históricos, como igrejas, jardins e ruas de pedra.

Rua da Misericórdia no Centro de Faro

Ainda são visíveis vestígios arqueológicos do núcleo central da cidade que era protegido por uma muralha, sendo que essa ruiu junto com as demais fortificações em um grande terremoto em 1755. Outra edificação que resiste é a Sé Catedral de Faro, a principal da época, com a fachada original.

Sé Catedral de Faro

Ria Formosa

Não perdemos muito tempo lá, pois queríamos nos aventurar no Parque Natural da Ria Formosa, bem em frente. Ria é um termo que equivale a estuário. Alugamos um caiaque e remamos (muito) ao longo dos rios e planícies lodosas que seguiam até a foz.

Remando no Parque Natural da Ria Formosa

Arrisquei caminhar sobre esse sedimento fino para me aproximar das aves, mas não deu muito certo.

Lodo da Ria Formosa

Continuamos no mar por horas, observando e fotografando diversas espécies de pássaros, como biguás, cegonhas, batuíras e maçaricos. Esse tentando se alimentar na foto seguinte é o fuselo (Limosa lapponica), também presente na parte mais oceânica do nordeste brasileiro.

Fuselo na Ria Formosa em Faro

Até os belos colhereiros-europeus (Platalea leucorodia), com seus bicos achatados, deram as caras. Esse ecossistema de marisma é definitivamente rico em avifauna.

Colhereiro-europeu na Ria Formosa

Quase na foz há criação de mariscos em boias, enquanto alguns portugueses catam manualmente mesmo.

Catadores de mariscos na Ria Formosa de Faro

Ao chegar à praia, uma parada rápida para descansar os braços e seguir de volta, agora contra a maré. Pegamos um atalho por um canal estreito que poderia estar sem calado, mas tivemos sucesso.

O céu começava a mudar de cor enquanto nos esforçávamos para retornar. Vimos um pôr do sol indescritível já em terra.

Sunset over Ria Formosa at Faro

Para encerrar o dia com chave de ouro, o melhor jantar da viagem. À beira das docas, nos fartamos do prato chamado cataplana de mariscos. Uma quantidade enorme de saborosos frutos-do-mar, incluindo um camarão quase do tamanho de uma lagosta, com um preço acessível. Estava bom demais para deixar sobras, mas o volume era tanto que não demos conta.

Cataplana de mariscos de Faro

Mértola

No dia seguinte rodamos com o Up! pelo litoral em direção à fronteira com a Espanha, para depois subirmos até a cidade serrana e histórica de Mértola. No caminho, passamos em meio a usinas eólicas, o chaparral e demais formações vegetais protegidas pelo Parque Natural do Vale do Guadiana.

Chaparral e aerogeradores no Parque Natural do Vale do Guadiana

A vila de Mértola, fundada com o nome de Myrtilis pelos romanos durante a Idade Antiga, ainda possui um castelo medieval e parte de suas muralhas.

Ponte e castelo de Mértola

Do alto do Castelo de Mértola, hoje aberto ao público como um museu, se vê o vale e as construções todas em branco, incluindo a igreja erguida na Idade Média, a Igreja de Nossa Senhora da Anunciação.

Igreja de Nossa Senhora da Anunciação e cidade de Mértola

Pouco depois seguimos por estrada de chão, para chegar ao lugar recomendado pela atendente da locadora de carros. Naquele que era possivelmente o trecho mais turbulento do Rio Guadiana, outrora calmo em Mértola, a Cascata do Pulo do Lobo mostrava toda sua força. E no entorno, um bando de bodes se alimentavam, sem nem dar bola.

Cascata do Pulo do Lobo em Mértola

Quarteira

No fim do dia nos aproximamos novamente de Faro, com a intenção de visitar as ruínas romanas de Milreu e o Palácio de Estói, na cidade de mesmo nome, mas para nosso azar já estavam fechando. Assim, corremos novamente para observar o pôr do sol em uma praia do município de Quarteira, vizinho a Faro. Chegamos na hora certa.

Puesta de sol playa Quarteira

Caminhamos pela agradável orla até pararmos para jantar pizza… de frutos-do-mar, claro!

Prato de pizza no município de Quarteira em Portugal

Depois da digestão, deixei a Tati em Faro, troquei de roupa e devolvi o carro no aeroporto. Como estava doido por uma corridinha, voltei dessa forma até a casa. Sem problema, por ficar há pouco mais de 5 km de lá e Faro ser uma cidade segura.

Por volta das 8 da manhã entramos no ônibus com destino a Sevilha.

Mapa de atrações turísticas

.

.

Um comentário sobre “Faro, Portugal (Algarve)

Deixe um comentário