Halong Bay

Hanói, Vietnã (Baía de Halong)

 

País barato de capital com atrações históricas, cujo acesso ao litoral compreende as verdejantes águas e picos de calcário da Baía de Halong, patrimônio da UNESCO.

Como chegar em Hanói

Para ir de Mandalay a Vietnã pela AirAsia, tive que fazer uma parada rápida em Bangkok. Nesse meio do caminho encontrei o grupo de brasileiros com o qual havia planejado a viagem junto. Diego, Renato, Fernando, Camila, Carol, Andreia e Thais foram meus companheiros nos 12 dias seguintes.

Muita atenção com a imigração! É necessário obter uma carta de aprovação previamente pela internet, como eu fiz, ou numa embaixada. Paguei 10 dólares pela carta e mais 25 dólares pelo selo já na imigração, no caso de entrada única de 1 a 3 meses. Para entradas múltiplas nesse período teria que pagar 50 dólares, ou 135 para um ano.

A língua oficial do Vietnã é o vietnamita (dã!), um idioma tonal caracterizado em sua escrita por acentos diferentes presentes até em consoantes. Apesar dessa confusão, dá para se virar só com o inglês, falado por boa parcela dos envolvidos com atividades e locais ligados ao turismo.

Quando deixávamos o terminal, presenciamos uma cena inusitada. Um bando de adolescentes aguardava ansiosamente a chegada da banda feminina sul-coreana EXID, que nós não fazíamos a menor ideia de quem seria.

Adolescentes esperando banda EXID no aeroporto de Hanoi

Centro de Hanói

Pagamos 500 mil dongs (68,4 reais) divididos por 8 numa van do Aeroporto Internacional de Noi Bai até o See You Lily’s Hostel, meio distante de lá. Em comparação aos albergues anteriores, esse deixou a desejar, principalmente no quesito limpeza.

No próprio beco do albergue há alguns estabelecimentos para se comer e beber. Foi o que fizemos em seguida.

Beco no centro de Hanói

Na manhã, saímos para conhecer a pé o centro da cidade. A quantidade de motos é absurda, sendo uma tarefa árdua atravessar as ruas. Ao menos os vendedores não são insistentes, então andar pelas calçadas é tranquilo.

Passamos por construções do período colonial francês e pelo Lago Hoan Kiem bem ao centro, onde os nativos relaxavam no fim de semana.

Do outro lado fica a Praça Ba Đình, local onde o líder Ho Chi Minh fez a proclamação da independência do Vietnã em 1945. Ao redor fica um complexo de atrações voltadas à memória de Ho Chi Minh, como o mausoléu, a casa, o museu, o palácio e os jardins.

Mausoléu de Ho Chi Minh

Depois de almoçarmos num caro restaurante na região nobre, pagamos 40 mil dongs pelo museu da história militar vietnamita, que fica perto. A parte mais interessante são os artefatos históricos como armas, além dos veículos grandes capturados. No mais, as informações em inglês são escassas.

Matheus no Museu da história militar vietnamita

Passamos numa das lojas com artigos da caríssima marca de aventura North Face. Os preços são​ excelentes, já que as roupas e mochilas são fabricadas lá mesmo, e provavelmente não legalizados. Por 89 dólares comprei um agasalho, uma calça e luvas, todos de Gore-Tex, o tecido que ao mesmo tempo é à prova d’água e respirável. O quão originais eles são eu nunca saberei, mas pelo menos os que adquiri funcionam bem. E a galera toda aproveitou e comprou também, ficou até parecendo que estávamos sendo patrocinados pela marca onde íamos!

Uma coisa interessante que notei é que, diferentemente dos países ao redor, o comércio de bens é feito em pequenas lojas, e não nas calçadas, deixando-as livres para pedestres e motos.

Escolhemos assistir o espetáculo teatral tradicional Four Palaces Show no Viet Theatre. Com 2 sessões diárias (18h e 19:30h), os ingressos custam a partir de 125 mil dongs, mas como estava relativamente vazio e éramos 8, ganhamos um upgrade de assentos. A banda que toca é legal e as vestimentas bem elaboradas, mas é um pouco repetitivo e monótono.

espetáculo teatral tradicional Four Palaces Show no Viet Theatre

Em seguida ocorreria na frente da Hanoi Opera House a Hora do Planeta, evento que ocorre anualmente em todo o mundo com o apagar de luzes por 1 hora, para alertar para a proteção de nosso planeta. Em Hanói ocorreram shows musicais e danças animadas com artistas (famosos?) nesse tempo.

Hora do Planeta 2017 em Hanói

Quando saímos de lá, encontramos diversas rodas de música e dança espalhadas pelo centro. O que achamos estranho é que ninguém bebia nas ruas…

Ao contrário do lugar que fomos para terminar a noite: a balada animada Ball 7 Bar. Éramos os mais velhos e os únicos gringos lá dentro, mas curtimos o som globalizado, nada vietnamita, mesmo assim.

Balada Ball 7 Bar em Hanói

Baía de Halong

Conseguimos um baita desconto em grupo para fazermos através da agência Halong Bay Castaway Tour por 90 dólares o cruzeiro de 2 dias e 1 noite na Baía de Halong (Halong Bay). Um ônibus nos levou por umas 3 horas e meia até o terminal onde pegamos o barco Dragon Pearl.

Este tinha 2 andares e a cobertura, mas o conforto e limpeza não eram dos melhores.

Quarto do barco Dragon Pearl em Halong Bay

Enquanto almoçávamos um rango bom até com camarão, o cruzeiro adentrou a baía, passando pelos montes rochosos verticais e pelas águas esverdeadas, listados como patrimônio da UNESCO.

Halong Bay

Certa hora o cruzeiro parou num local onde andamos de caiaque através de cavernas e à beira de matas com macacos.

Caiaque na Baía de Halong

Infelizmente o tempo esteve nublado e ventoso por todo o período em que estivemos no cruzeiro, chegando a fazer um friozinho à noite.

Assim que terminarmos de jantar começou a melhor parte, as 3 horas de chope liberado. Na festa regada a bebida e música, rolou altas interações com os demais turistas da embarcação, um grupo de filipinos e outro de suecos.

Galera em festa no cruzeiro em Halong Bay

Com certa ressaca recebemos as refeições e voltamos, parando brevemente em Hanói antes de voar pela Vietjet Air até Da Nang por 409 mil dongs.

Mapa dos pontos de interesse de Hanói

.

.

Um comentário sobre “Hanói, Vietnã (Baía de Halong)

Deixe um comentário