Praia Loh Dalum Koh Phi Phi Don

Ilha de Koh Phi Phi Don, Tailândia

 

Krabi

Pela AirAsia novamente, deixei Singapura e retornei à Tailândia. Uma província costeira, Krabi tem esse nome justamente pelos caranguejos, que junto aos incríveis peixes gobiídeos que possuem respiração cutânea (pela pele) e saltam com as nadadeiras em terra, estão presentes por todas as partes dos manguezais que cercam a cidade.

Peixe e caranguejos em manguezal de Krabi

Dei uma caminhada pela orla, onde o povo praticava exercícios físicos. Ao anoitecer, jantei o típico pad thai no mercado de rua e me recolhi num dos dormitórios coletivos (280 baht ~ 26,2 reais) do Pak-Up Hostel, perto da orla, para tomar a balsa do dia seguinte.

De Krabi saem algumas embarcações por dia até Koh Phi Phi Don, uma paradisíaca ilha no mar de Andaman, dentro do arquipélago das Ilhas Koh Phi Phi. A duração é de 1 hora e meia e o preço do ingresso é de 400 baht. Confira o cronograma de horários e destinos.

Koh Phi Phi Don

Paradisíaca sim, mas muuuito turística. O desembarque no píer de Tonsai parece um corredor polonês, tamanha a quantidade de gente vendendo passeios de mergulho, artesanatos e outros bens e serviços menos lícitos às centenas de mochileiros que chegam algumas vezes por dia.

Koh Phi Phi Island Arrival

Me esquivei rapidamente pelas ruelas de areia e cheguei à bela praia do outro lado da ilha, Loh Dalum.

Praia Loh Dalum Koh Phi Phi Don

Lá fica o Blanco Dorm Room & Beach Bar, onde me hospedei.

Blanco Dorm Room & Beach Bar Koh Phi Phi Don

Peguei o equipamento de snorkel e segui para um dos pontos que havia registrado como passíveis de mergulho. O que não contava era com o morro e as diversas curvas que tornaram o trajeto bem mais longo do que o planejado.

Ao chegar à Long Beach me atirei direto na água, que estava com uma boa temperatura, e fui atrás do ser que procurava. Um pescador disse que havia visto 5 deles por perto. Nadei bastante, fui até uma ilhota rochosa próxima e nada, apenas poucos corais danificados em meio à areia e algumas dezenas de espécies de peixes. O que abundava ali eram os pornográficos pepinos-do-mar. Nemo (Amphiprion ocellaris) e seus amigos (Dascyllus trimaculatus) se protegiam em meio à anêmona.

Nemo (Amphiprion ocellaris) e seus amigos (Dascyllus trimaculatus) se protegiam em meio à anêmona

Vi ainda alguns agulhas, cirurgiões e papagaios. Já estava retornando, quando enfim dei de cara com a tal criatura, o tubarão-de-pontas-negras-do-recife (Carcharhinus melanopterus). Com cerca de 1,5 m, o animal parecia ter mais medo de mim do que eu dele, apesar de ser uma espécie que às vezes morde um ou outro mergulhador. Fui em sua direção por um tempo, até que suas nadadeiras se provaram mais eficientes que as minhas, e então ele sumiu.

Tubarão-de-pontas-negras-do-recife (Carcharhinus melanopterus) na praia Long Beach em Koh Phi Phi

Brinquei um pouco com uma água-viva rosa e segui a rota de fuga. Vai que numa dessa o tubarão retorna com sua gangue? Melhor não vacilar…

snorkeler and jellyfish at thailand koh phi phi island

Retornei ao centro pelo mar, o que provou ser mais rápido que por terra. Caminhei pelo entorno um pouco, até que no fim da tarde resolvi arriscar um mergulho na praia onde ficava a hospedagem. A maré havia recuado centenas de metros.

Quando cheguei à parte subaquática, segui pelo costão esquerdo. Quando fiz a curva saindo da baía comecei a ver os primeiros sinais de recifes desenvolvidos. Ouriços pontudíssimos, corais multidimensionais, mexilhões gigantes associados a zooxantelas, grandes cardumes das mais variadas e coloridas espécies, lírios-do-mar e até uma lagosta. Como já estava escurecendo não pude ir muito adiante, embora vontade não faltasse, pois quanto mais me afastava da civilização, maior ficava a biodiversidade.

Loh Dalum Bay snorkeling

Um registro de ambos mergulhos pode ser conferido no vídeo abaixo:

Voltei à terra, e parece que nessa hora meu corpo começou a se entregar, pedindo para voltar para casa. Como o grave do som no último volume não me deixou descansar em paz, já que as festas rolam na praia, bem onde ficam as hospedagens, fiz uma força e parti para a última noite, que acabou sendo a melhor. Lá se aglomeravam os mochileiros, assistindo aos shows de fogo que os nativos apresentavam, junto com muito som e bebida. Conheci vários brasileiros (Angélica, Paulo, Thiago, Diego), o que não tinha ocorrido ao longo de toda viagem. Provei o tal do baldinho de bebida, uma mistura muito louca de destilado com energético, bem em conta. Também conheci várias gringas e a festa se estendeu até o dia amanhecer…

Festa com brasileiros em Koh Phi Phi Don

Acordei e fiz o último mergulho, no mesmo lugar da última vez. Faltou tempo para o passeio quase obrigatório a Maya Bay, cenário da Ilha Koh Phi Phi Lee imortalizado no filme “A Praia”, com Leonardo DiCaprio. Com meio dia a mais vocês podem facilmente reservar em uma das várias agências de turismo de Koh Phi Phi Don.

Phuket

Saí no começo da tarde na balsa até o porto de Phuket. O preço e duração do transporte é o mesmo que de Krabi a Koh Phi Phi Don.

Ferry to Koh Phi Phi Don Island

Até há praias bonitas na região, mas o lugar onde o barco aporta é (ou pelo menos era) feio e sujo.

Sujeira no Porto de Phuket

Chegando em terra firme, tomei uma van direta para o pequeno aeroporto na mesma cidade. Lá esperei por horas até o voo para Bangkok, de onde finalmente voltei ao Brasil.

Mapa de atrações turísticas

.

.

4 comentários sobre “Ilha de Koh Phi Phi Don, Tailândia

Deixe um comentário