Geleira no Parque Nacional Snæfellsjökull sob neblina

Região Oeste e Reiquejavique, Islândia

 

Região Noroeste

Ao deixar a Região Nordeste da Islândia, dali em diante foram duas centenas de quilômetros passando por paisagens encantadoras, mas correndo contra o tempo através da Região Noroeste.

Norðurland vestra

Dessa forma, tivemos que deixar algumas atrações de fora do roteiro, como a área geotermal da Reserva Natural Hveravellir, chamada de oásis, bem distante da rodovia principal. Também há ravinas próximas que formam uma série de cachoeiras, denominadas Bólugil. Outros atrativos são os diversos museus das cidadezinhas costeiras.

Ao sair dessa região, pela escassez cronológica tivemos que deixar completamente de lado a Região dos Fiordes Ocidentais. Essa é a mais remota do país, e como tanto, abriga muitos pontos de interesse a serem explorados a pé, de bicicleta, de carro ou de barco: Reserva Natural Hornstrandir, praia dourada de Rauðisandur, cabo de Látrabjarg, entre outros. Para passeios organizados e melhor infraestrutura, vá até a capital da região, Ísafjörður.

Região Oeste

Prosseguindo pela Região Oeste, Eu e Paulo pudemos apenas subir de carro o vulcão glacial Snæfellsjökull, inserido em um parque nacional de mesmo nome, no extremo oeste da ilha. Durante a ascenção, passamos por algumas pequenas entradas cavernícolas. As condições lá em cima estavam péssimas para uma visita ocasional, bem como eu gosto.

Snæfellsjökull National Park

A certo ponto a estrada foi interrompida por neve, então tivemos que fazer um desvio, até o momento em que todo o caminho estava interditado e, para piorar, uma neblina forte impedia a visão.

Geleira no Parque Nacional Snæfellsjökull sob neblina

O único sinal de presença humana era um veículo com esteira para se locomover nesse terreno, acredito que para resgate de algum turista sem noção.

Snæfellsjökull National Park snow truck

Sem crampons, não tivemos como ir além, então retornamos. O trajeto é majoritariamente rural, com algumas fazendas em meio à tundra onipresente.

Rural farm Iceland

Se tiver tempo para um desvio significativo, conheça as cavernas rochosas formadas por vulcões na região, principalmente os tubos de lava de Víðgelmir e o vizinho Surtshellir. E as cachoeiras Hraunfossar, que ficam no caminho para as atrações anteriores.

Reiquejavique

Já não havia mais luz quando completamos o circuito e chegamos à capital da Islândia, cerca de 2200 km depois da partida. Para essa noite eu reservei o albergue The Capital Inn, a hospedagem mais barata de Reykjavík (Reiquejavique em português), onde pudemos finalmente tomar um banho decente e dormir em uma cama de verdade.

Na hora de levar o Paulo ao aeroporto, percebi que ele não tinha se dado conta que o aeroporto que o levaria de volta não era o de Reykjavík, a 1 km dali, mas o de Keflavík, a 48 km! Quase decolei o carro para conseguir deixar o cabeção no exato momento em que o portão iria fechar.

Em uma manhã cinzenta, nos poucos minutos que tive antes de meu voo dei uma passada pelo centro da capital. Tranquila, limpa, com um movimento nada comparável com capitais de outros países.

Rua no centro de Reiquejavique

Vi as diferentonas obras arquitetônicas do centro de conferência Harpa, da escultura em forma de barco Sun Voyager…

Escultura de barco Sun Voyager em Reiquejavique

…E a igreja Hallgrímskirkja, cujo exterior é fortemente inspirado nas colunas de basalto de Reynisfjara.

Igreja Hallgrímskirkja de Reiquejavique

Outras atrações recomendadas são o Museu Nacional da Islândia (2000 coroas islandesas ~ 59 reais), o museu-loja a respeito da vulcanologia Volcano House, e os museus que compõem o Reyjkavík City Museum (à céu aberto, sobre a colonização, marítimo, fotográfico e a ilha Viðey).

Por volta do meio-dia, tomei o voo da low cost Norwegian para o aeroporto Gardenmoen, próximo a Oslo, Noruega, por 60 euros. Lamento não ter tido mais tempo para ficar na Islândia, pois dos países em que estive, esse é mais bonito e exótico em termos de natureza.

Mapa dos pontos de interesse das Regiões Noroeste, Oeste, Fiordes Ocidentais e Reiquejavique

.

.

Deixe um comentário