Artificial Trees of Gardens by the Bay at Marina Bay

Cidade de Singapura, Singapura

 

Depois de quase perder o voo da AirAsia vindo de Bali, cheguei ao aeroporto Changi, considerado repetidas vezes o melhor do mundo.

A cidade-estado é uma das mais limpas, seguras e organizadas que já conheci, e ainda rivaliza com Dubai em termos de arquitetura. Outro fator positivo é que inglês é a língua principal, já que a colonização britânica foi forte e recente. Os únicos inconvenientes são o calor de dia, pois fica ao nível do mar e quase sobre a Linha do Equador, além dos preços claramente superiores aos demais países da região.

Ruas de Cingapura

Jardim Botânico de Singapura e MacRitchie Reservoir Park

Deixando o aeroporto de metrô, minha primeira parada foi o gratuito Jardim Botânico de Singapura. Dividido em setores específicos, como de plantas medicinais, gramíneas, bonsais e escala evolutiva, possui uma quantidade impressionante de exemplares e espécies, inclusive vitórias-régias amazônicas. Muita gente também usa o local para prática de corrida e piqueniques.

Vitória-régia no Jardim Botânico de Singapura

Surpreendemente, o Singapore Botanic Gardens está listado na UNESCO. Segundo a organização, o local demonstra a evolução de um jardim botânico tropical colonial britânico que, desde sua criação em 1859, se tornou uma moderna instituição científica de classe mundial usada tanto para conservação quanto educação.

Jardim Botânico de Singapura UNESCO

Para não perder o pique, parei em outra estação próxima para conhecer o também gratuito MacRitchie Reservoir Park. Beirando o reservatório mais antigo de Singapura passa uma trilha, com macacos curiosos, tartarugas e lagartos à vista, além da floresta secundária.

parque reservatório singapura

Marina Bay

Já havia escurecido quando cheguei à Marina Bay, a baía mais famosa do país. Em um lado da orla as incríveis árvores mutantes artificiais do Gardens by the Bay, somadas à estufas e outros elementos artísticos e naturais (jardins externos grátis, demais pagos).

Artificial Trees of Gardens by the Bay at Marina Bay

Do outro, o majestoso hotel 5 estrelas em forma de navio suspenso Marina Bay Sands. Quer se hospedar ali? Pois saiba antes que a diária mais barata está em 379 dólares de Singapura, cerca de 868 reais.

Marina Bay Sands 5 Star Hotel

Uma boa quantidade de turistas mirava suas câmeras para todos os lados, pois não havia um espaço sequer que não valesse a pena fotografar.

Para me hospedar, escolhi o ótimo albergue River City Inn (26 dólares de Singapura = 60 reais), onde ao tomar banho fiquei sabendo de mais um fato impressionante de Singapura. Como praticamente não há fontes de água, o que os obriga a importar da Malásia, eles desenvolveram um sistema chamado NEWater, que produz água potável através do tratamento de efluentes por meio de diversas etapas que incluem até osmose reversa. Também é grande o aproveitamento de água por dessalinização.

Museus e compras

Já no outro dia, tomei o café da manhã incluso e comecei a volta pelo museu de civilizações asiáticas (Asian Civilisations Museum). Esperava que tivesse mais informações sobre Singapura, mas o foco maior era para os outros povos do Sudeste Asiático.

Por dentro do museu de civilizações asiáticas de Singapura

Ao redor do museu há praças, monumentos históricos e o recentemente despoluído e revitalizado Rio Singapura. Ali provei por 1 dólar um delicioso ice cream sandwich (sanduíche de sorvete), ícone do Android 4.0.

Carrinho de sanduíche de sorvete em Singapura

Por sorte, estava num dos países mais ligados em tecnologia. Assim, não foi difícil achar um shopping center especializado nisso, onde consegui comprar outra bateria para a GoPro (que havia falecido em Bali), mas dessa vez japonesa.

Electronics Shopping Center at Singapore

Enquanto esperava o horário para entrar de graça no museu nacional (entrada normal custa 15 dólares), fui a Little India, reduto indiano onde é possível comprar muitas coisas baratas, e onde há muito ouro; logicamente, me restringi ao artesanato.

De volta ao museu, a mesma exposição que havia assistido no mês anterior em Porto Alegre, do fotógrafo brasileiro Sebastião Salgado, estava ocorrendo ali. Muito bom ver um compatriota se destacando assim. Também percorri outras salas com exibições aleatórias.

National Museum of Singapore

Circuito de Fórmula 1

Em sequência, voltei à beira-mar, dessa vez para admirar a Singapore Flyer, a 2ª maior roda gigante do mundo, atrás apenas da de Las Vegas.

Junto a ela fica o circuito de rua de Fórmula 1. Como sou grande fã, foi emocionante caminhar pelas pistas e reta dos boxes, na área aberta ao público.

Singapore Flyer and F1 Street Circuit

Jurong Lake Gardens

O pouco tempo que tive no último dia foi ocupado pelos jardins chineses e japoneses, uma porção de área verde com pagodas, estátuas de Confúcio, do horóscopo chinês e bonsais…

Jurong Lake Gardens Singapore Pagoda

…Bem como aves aquáticas soltas no Lago Jurong, que dá nome ao parque. Na foto, um martim-pescador-de-colarinho (Todiramphus chloris).

Martim-pescador-de-colarinho

Os jardins, que não possuem cobrança de entrada, também são acessíveis pelo transporte público.

Tive que seguir voo para Krabi, Tailândia, sem conhecer o parque de diversões e aquário da Ilha de Sentosa, bem como o recife de corais fóssil de Chek Jawa. Ainda voltarei a esse lugar incrível.

.

.

Deixe um comentário