Mergulho com tubarão-baleia em Oslob

Cebu, Filipinas

 

A ilha de Cebu é famosa pelo mergulho com tubarões-baleia em Oslob e recifes de coral em Alcoy, bem como as cachoeiras de cor turquesa de Kawasan e Tumalog.

Vindo de Incheon (Coreia do Sul), à noite, passei com minha mochila no limite da pesagem na low cost AirAsia, pra voar a Cebu, nas Filipinas. Esse voo custou 132 mil wons (~401 reais), com taxas e refeição.

Norte de Cebu

Cheguei morrendo de sono às 2 h da madruga, passando a imigração (brasileiros não precisam de visto para turismo). Deixei o terminal pegando um táxi branco de 250 pesos filipinos (~16,2 reais), mais barato que o amarelo, até o terminal norte de ônibus de Cebu (North Bus Terminal). Logo depois, paguei 160 pesos por um assento no ônibus razoavelmente confortável da empresa Ceres, que levaria 4 horas até o norte da ilha, em Maya.

Interior do ônibus Ceres para Maya em Cebu

A única parada foi a cerca de 1 h após a partida, com tempo suficiente para usarmos o banheiro e comprar comida. Consegui uns pãezinhos doces por somente 5 pesos cada!

Já em Maya, embarquei pouco depois num barco até a ilha de Malapascua. Como não havia passageiros suficientes, pois as pequenas embarcações partem a cada meia hora estando cheios ou não, o total dividido por pessoa ficou em 220 pesos.

Três dias depois deixei essa ilha pela manhã, dessa vez por apenas 120 pesos. Como o ônibus para a capital levaria mais uma hora para sair, embarquei numa van com ar por 200 pesos. Mesmo na principal rodovia que corta o país, há apenas uma faixa de rodagem. Então espere trânsito, especialmente de motos e de lentos tuk-tuks.

Fizemos uma parada para almoçar, antes de retornar ao terminal norte. Um restaurante de beira de estrada com comida simples e barata.

Prato com comida simples em restaurante de Cebu nas Filipinas

Tive que tomar um táxi para chegar no terminal sul (South Bus Terminal), de onde eu pegaria o veículo seguinte, pois estava fazendo bastante calor e a cidade de Cebu não é das mais seguras.

Já vinha percebendo que o cebuano, idioma oficial da ilha de Cebu, havia sido bastante influenciado pela ocupação espanhola nos séculos anteriores. Tive certeza da similaridade dos números quando o cobrador do ônibus para Oslob me informou que a tarifa seria de “sento kwarenta singko”.

Oslob

Rua principal de Oslob

Ao chegar, encontrei no Hotel Sebastian a turma de brasileiros Agatha, Caio, Thalita, Rafael, Camila e Ingrid. Ao redor da piscina, tomamos umas biras Red Horse por 60 pesos cada garrafa de 500 ml.

Pousei no Ocean View Lodging House, à beira-mar, por 1600 pesos a noite – um pouco caro devido à localização, mas com um quarto de casal só pra mim.

Fechamos um passeio no hotel deles para sairmos os 6 brasileiros mais eu às 5 e meia da manhã para nadarmos com os tubarões-baleia e vermos a cachoeira Tumalog em seguida. Isso por 1800 pesos, que poderia ter sido feito pagando menos, por conta própria.

Chegando no estabelecimento dos tubarões, levamos um susto com a quantidade de turistas e barcos que já havia naquele momento.

Preparação para mergulho com tubarão-baleia nas Filipinas

As canoas entram poucos metros na água até onde ficam os bichões, que permanecem ali enquanto são alimentados. Achei meio artificial por isso, mas mesmo assim não deixa de ser incrível observar de snorkel os maiores peixes do mundo. E ao contrário do que se pensa, não há um cercado que os faça permanecer ali.

Mergulho com tubarão-baleia em Oslob

 

Ficamos por quase 30 min nadando ao redor dos animais de cerca de 6 m (jovens). Dá uma conferida no trecho de vídeo.

Tumalog Falls é uma cachoeira que fica lá perto, onde de uma altura bem considerável escorre um bocado de água sobre um paredão verde, culminando num lago raso verde-azulado, coloração devida ao calcário.

Cachoeira Tumalog Falls em Oslob

Kawasan Falls, por sua vez, tem uma área bem maior e fica mais distante, a mais de 1 hora e meia de Oslob, em Badian. Nos custou mais 1100 pesos para ir até lá e entrar no parque, que possui infraestrutura completa e uma série de cachoeiras com águas em cores incríveis, e com trilhas para acessá-las. Um atrativo é uma balsa de bambu que te leva embaixo da queda principal, dando aquele cachote na cabeça.

Balsa de Kawasan Falls em Cebu

Outra é o salto de uma das quedas que fica em uma piscina natural superior, com quase 10 m de altura, coisa que eu fiz (me borrando de medo, mas fiz).

Cachoeira de Kawasan Falls em Badian

Na volta, ficamos bebendo no hotel dos brasileiros. Apesar de eu já ter gastado bastante no bar da hospedagem, ainda quiseram me cobrar pra entrar na piscina por eu não ser hóspede, uma atitude ridícula.

Azar o deles, porque saímos para procurar uma festa no pequeno centrinho. Primeiro jantamos numa pizzaria apetitosa, agregando mais os brasileiros Lis e Bruno.

Brasileiros na pizzaria em Oslob

Como não achamos agito algum, compramos cervejas no 7Eleven por 85 pesos o litro, e tomamos no quarto do hotel dos brasileiros.

No dia seguinte deveríamos ir à ilha Sumilon, mas como a maré já estava muita alta não haveria faixa de areia, e com isso teríamos que ficar no caro resort da ilha. Isso faria o passeio passar de 2500 pesos por todo o barco para 1500 pesos por pessoa.

Alcoy

Como alternativa, a moça de uma agência de turismo nos indicou a praia na cidade de Alcoy, e para lá fomos, pegando um ônibus qualquer em sentido norte. Pagamos 25 pesos e chegamos uns 45 min depois.

A bonita praia de Tingko tem uma faixa de areia modesta, mas maior e mais límpida que as demais da região. Ficamos relaxando nas águas cristalinas até a hora do almoço, quando subimos no restaurante relativamente caro de um resort com uma baita vista da barreira de corais chamada Mambagi que fica a 200 m em frente à praia.

Recife de corais na praia de Alcoy

Fui lá logo depois, nadando por conta própria. Se quisesse pegar um barco, custaria 100 pesos. A maioria da zona é de pasto aquático, com recifes mais concentrados no meio. Há certa variedade de vida, mas não tão grande quanto Malapascua.

Recife de coral de Mambagi em Alcoy

Vi a venenosíssima mas tranquila serpente-marinha-de-faixas (Laticauda colubrina) nadando por lá. Toda vez que ela subia à superfície para respirar dava um frio na barriga.

Serpente-marinha-de-faixas (Laticauda colubrina) em Alcoy, Cebu

Apesar disso, a única coisa que me incomodou foi as várias pontadas que levei na pele no caminho, apesar de só ter visto uma água-viva.

Ao retornar, me despedi da galera e segui com o casal de brasileiros num ônibus e depois de táxi pra ilha em que fica o aeroporto de Cebu, onde passaria a noite antes dos voos seguintes. A cidade se chama Lapu-Lapu.

Dormi num simples dormitório coletivo no Mactan District Budgetel, por 450 pesos, pois ele ficava a apenas 2 km do aeroporto. Isso me permitiu ir caminhando até lá na madruga, quando voei de AirAsia por 3 mil pesos pra Kuala Lumpur, onde esperaria várias horas no aeroporto até o voo seguinte para Mianmar. O que eu não contava era com uma tarifa de 750 pesos que deve ser paga no embarque diretamente no terminal do aeroporto de Cebu, em dólares ou pesos.

Mapa dos pontos de interesse de Cebu

.

.

Deixe um comentário