Praia com fósseis na Costa Jurássica de Weymouth

Weymouth, Reino Unido (Inglaterra)

 

Numa manhã de agosto de 2015, eu, Tati e sua prima Tami tomamos um trem na estação ferroviária Waterloo de Londres até Weymouth, no litoral sul da Inglaterra. A ida nos custou 8 libras esterlinas, enquanto a volta apenas 1 libra. No banheiro do trem, um aviso no mínimo inusitado ao dar a descarga do vaso.

Vaso sanitário com mensagem engraçada em trem britânico

Weymouth

Logo ao chegar, enfrentamos um chuvisco que praticamente não cessou durante toda a estadia. Ainda bem que havia trazido roupa à prova de chuva, pois nossa hospedagem não estava aberta na hora em que chegamos.

Weymouth downtown street and buildings

Apesar desse clima, uma coisa que notei foi que os moradores de lá são bem simpáticos, sorrindo o tempo todo, ao contrário de Londres e companhia.

Paramos em um café para esperar o tempo ruim amenizar.

Weymouth Café

A praia principal não tem graça nenhuma, se comparada com as que temos em nosso país, mas parecia agradar os ingleses que se reuniam no festival que estava ocorrendo por ali, com diversões para gringo ver.

Weymouth Bay beach

Ilha de Portland

Achamos que seria possível caminhar até a Ilha de Portland, mas o relevo acidentado, que não fazia parte do mapa no GPS, nos fez embarcar em um ônibus até lá. Desembarcamos no topo da península homenageada pela semelhança de seus calcários com o cimento de mesmo nome.

Do mirante ao lado do memorial Portland Cenotaph tivemos uma vista interessante. Em primeiro plano, o vilarejo de Fortuneswell. No meio, a marina e a praia de Chesil. Se não houvesse neblina, no fundo estaria o município de Weymouth.

Vista do topo da ilha de Portland, com a Costa Jurássica ao fundo

Continuamos até uma das diversas pedreiras indicadas pelo GPS no local. Por sorte, não era uma pedreira comum. O que pareceu estranho no começo, algo como ruínas de esculturas de uma civilização antiga, na verdade era uma brincadeira. No Tout Quarry Sculpture Park and Nature Reserve, os diversos elementos naturais em material rochoso espalhados pelo terreno são fruto do trabalho de diversos artistas desde 1983. Um deles lembra o fóssil amonite, molusco extinto junto com os dinossauros.

Escultura de amonite no Tout Quarry Sculpture Park and Nature Reserve em Portland

Depois de algumas fotos nós descemos o desfiladeiro até Chesil Beach, a praia formada por seixos coloridos polidos pela ação das ondas. Esse conjunto forma um istmo que liga por alguns quilômetros Portland até o resto da região de Dorset.

Chesil Beach at Weymouth Portland Dorset

Já de volta a Weymouth, à noite fomos tomar uns chopes no bar mais próximo de onde estávamos hospedados. O pequeno lugar chamado The Waterloo era frequentado por pessoas com no mínimo o dobro de nossa idade. O problema maior não foi esse, e sim o horário de fechamento. Às 11h fomos gentilmente expulsos de lá, tendo que terminar assistindo o Massacre da Serra Elétrica original na TV do albergue Bunkhouse Plus, praticamente só nosso por 18 libras a diária da cama no dormitório.

Costa Jurássica

Enfim chegara o dia que estava esperando. O motivo de eu ter escolhido esse destino foi o de ser um dos locais com maior registro de fósseis do mundo, e com a coleta permitida. A denominada Costa Jurássica, patrimônio tombado pela UNESCO, se estende por dezenas de quilômetros e alguns municípios do sul da Inglaterra, sendo Weymouth um dos que possui acesso mais fácil. São penhascos datados dos três períodos da era Mesozóica, a mesma em que os dinossauros viveram.

Como não sabia as localizações exatas, segui pela praia de Weymouth Bay em direção leste, esperando encontrar algo. O que não contava era com a dificuldade do terreno e, para piorar, eu estava calçando Havaianas, já que meu tênis tinha perdido definitivamente seu poder de impermeabilidade e nesse momento estava encharcado. Antes que me perguntem, ressalto que não rola ir descalço, a menos que estejam pagando penitência. E fiquem bem atentos porque volta e meia há deslizamentos, o que acaba causando a exposição dos fósseis.

Praia com fósseis na Costa Jurássica de Weymouth

Assim segui até ter os primeiros sinais de fósseis, simples traços de concha em meio às rochas maiores. Sem ferramentas, no entanto, nada podia fazer além de observar. Mais adiante, felizmente, consegui coletar alguns pedaços que jaziam no solo e usei uma técnica pré-histórica para extrair outros fósseis que estavam em uma rocha mais quebradiça. O resultado foi o que acredito serem tubos de poliquetas Serpulidae e moluscos bivalves dos gêneros Myophorella, Gryphaea e outro desconhecido.

Fosseis coletados na Costa Jurássica, sendo tubos de poliquetas Serpulidae e moluscos bivalves dos gêneros Myophorella e Gryphaea

Estava feliz com o resultado de poucas horas, mas inconsciente do problema que enfrentaria em seguida. Ao chegar a Osmington Mills, tive que cruzar um trecho com lama. Resultado: o chinelo foi pro saco. Nem usar a técnica do segundo furo resolveu.

Osmington Mills Beach at Weymouth

Com isso, tive que voltar descalço à estrada. Como não consegui carona, ainda precisei pegar o ônibus de volta. Confira mais informações no site da empresa que abrange as rotas de ônibus em Weymouth: First.

Aproveitei as horas finais para dar uma passada na área alagada e cheia de aves protegida pela Lodmoor Nature Reserve, antes de partir com a chuva no ar.

área protegida Lodmoor Nature Reserve em Weymouth

Uma pena não ter conseguido ir até o arco natural de Durdle Door, além da baía em forma de meia-lua de Lulworth Cove que também contém uma floresta petrificada. Essas feições geológicas excepcionais estão localizadas a uma dezena de quilômetros da cidade.

Voltamos a Londres, onde em sequência embarcamos no ônibus noturno com balsa até a Bélgica, onde passamos menos de um dia até chegarmos em Amsterdã.

Mapa das atrações turísticas de Weymouth

.

.

Deixe um comentário